quinta-feira, 24 de julho de 2008

Duas faces



Sou tormento, sou sonho.

Sou anjo, sou demônio.

Sou tempestade passageira, sou calmaria efêmera.

Estou a esmo nesse mar da loucura.


Sou gota derramada, sou o fio da espada.

Sou alma perdida, sou apenas vida.

Sou tudo, sou nada.

Presa nesse meu pranto reprimido.


Sou contraditória a mim, sou tão parecida a ti.

Sou ovelha negra, sou luz por entre as nuvens.

Sou leveza, sou pedra atirada.

Apenas um sonho esquecido.



Sou a doce fúria.

Sou o escondido pranto.

Sou o esquecimento.

Sou o vazio do nada.

5 comentários:

Vanessinha disse...

Vc pode axar q eh td isso... mas para mim q estou aki... vejo vc como uma linda amiga "pequena" mas grandiosa em seu coraçao e na sua personalidad... uma amiga q sempre vai estar do lado d qm precisar...ñ importa se eh p rir ou p xorar...
Soh qm tm o privilegio d ter sua amizade sabe como eh!!!
Te Amo amiga!!!
Best!!!

Diário de Ana disse...

Vannnnnnnnnn
Amei você ter aparecido aqui...
Te amo muito amiga...
Beijo

Vanessinha First disse...

Olha eu aki d nv!!! mas agora to cm blog tbm...haha vamos ver no vai dar... axo q farei mtas revelaçoes por aki...hauhauahua
Vixi...primeiro post susse, mas como vc me conhece daki a pouco vai p putaria...auahauahuahua

Ana disse...

HAHAHAHAHAHA
Só você mesma Van!

Lita Figueiredo disse...

Ana, como vc pode dizer que não é uma poetisa? Esse poema é lindo! Contém o belo de ti e os teus tormentos. É por demais profundo e o que é profundo vem acompanhado do que é bom e do que é ruim, pois assim é o ser humano. Agora, capacidade de expressar isso, só quem tem é artista, é poeta. Parabéns! Seu blog está muito gostoso de se visitar.